sábado, 12 de setembro de 2009



Todas as Bandas

Maestro Nato, Jed ( o fera do baixo) e a rapaziada

Banda Santa Cecília

A história da Banda Musical em Iporanga, segundo Benjamim dos Santos, começou nos últimos anos da escravidão, alguns membros da comunidade e amante da música, liderados por José Miguel dos Santos, que agruparam-se e formaram uma pequena banda com os instrumentos que possuiam e adquirindo os equipamentos que faltavam para complementar a Lira. Para esse grupo deram o nome de Banda Santa Cecília, como a Banda de Iguape. No ano de 1890 chegou na cidade, vindo de Curitiba, o Major Maestro e Compositor Bento Antonio de Meneses, político tio daquele que foi governador do Paraná em 1894, o Dr. João Doria de Meneses, (Gravura ao lado) político, maragato, reacionário e polêmico. Diziam na cidade que o Maestro era amigo e parceiro político do Nho Zinho (Sr. Pedro da Silva Pereira Junior) e que pertencia ao mesmo partido, e que o trouxe para Iporanga e o hospedou, para escondê-lo de alguma possível retaliação política por parte do movimento Republicano que derrubou a Monarquia em 1889. O Maestro Bento foi o fundador da Corporação Musical da Policia Militar do Paraná conforme o relato transcrito abaixo extraido do Site da PM do Paraná:



Maestro Bento Antonio de Menezes (Na Banda de 1857 a 1875)

No dia 12 de março de1857, o presidente do Governo da Província do Paraná, Zacarias de Goes e Vasconcelos, assinou a Lei de n° 30 que autorizava o tesouro da Província dispensar verbas para a criação de uma banda de música na Capital, que deveria ficar adida à Companhia da Força Policial. No dia 4 de julho do mesmo ano, o Ato 86 criou a Banda de Música da Companhia da Força Policial, tendo como seu primeiro maestro o cidadão Bento Antonio de Menezes, sendo que nessa época a banda era a única organização musical oficializada na Província do Paraná, participando das festas religiosas e civis da comunidade.

Em 1865, por ocasião da Guerra do Paraguai, o maestro Menezes viajou ao Estado do Rio de Janeiro acompanhando uma força destinada ao Paraguai, sendo que 8 músicos foram incorporados nas fileiras da Companhia da Força Policial. Destaque para o músico Clarimundo José da Silva, que seguiu para as linhas de combate como soldado corneteiro.

Imagens da Banda da Força Polical em 1868, dentre os músicos está o maestro.

No dia 22 de maio de 1880, o Imperador D. Pedro II ao visitar o Paraná, foi recepcionado pela Banda de Música, onde recebeu referências elogiosas do Imperador, conforme registrou o pioneiro jornal Dezenove de Dezembro

Sua primeira apresentação em público foi no dia 7 de setembro de 1861 já definitivamente organizada, participando ativamente em todos os momentos festivos do nosso estado e tornando indispensável a sua presença.

A Banda Santa Cecília era composta de 14 figuras abaixo relacionadas:
Era uma das figuras José Miguel que dirigia a Banda quando chegou o Maestro Bento, e depois da partida do músico e político de volta para Curitiba, nesta ocasião já com o nome de Banda Coração de Jesus. Os outros músicos que faziam parte do grupo eram: Zeferino dos Santos Lisboa - Reducino dos Santos - Atto dos Santos Lisboa - Reducino dos Santos - José Dino de Andrade Resende (Nhô Juquica, que foi prefeito da cidade em 1896) - João Antonio Santiago - Francisco Santiago (Chico Santiago) - José Roberto de Lima ( Daduca comerciante e prefeito da cidade em 1892) - Antonio Andrade Resende (Totózinho) - Silvério de Almeida - Crescêncio de Almeida ( Pai da Dona Elisa, que é cunhada do meu avô Honório Corrêa e mãe da Dona Maria marques ou Maria Corrêa) - Amâncio Felix Valois ( padrino e tutor do Honório Corrêa e Dona Elisa) - Francisco da Rosa Sousa (Chico Barulho) - Guilherme de Abreu (Guilê de Abreu)


Banda Coração de Jesus

Depois da partida do Maestro Bento, alguns músicos se desgostaram de tocar e se afastaram da Banda, mas o José Miguel conseguiu a muito custo reunir um novo grupo e substituir os que sairam e a Banda continuou em plena atividade, porém, com o nome de Banda Coração de Jesus. Faziam parte deste grupo: José Miguel dos Santos(Regente) - Zeferino do Santos Lisboa - Atto dos Santos Lisboa - Reducino dos Santos - Ernesto dos Santos - Antonio Alves Machado (Nico) - Francisco da Rosa Sousa (Chico Barulho) - David Zózimo Gonçalves - Antero da Silva Pereira ( filho do Nhô Zinho) - Felipe Nery - Galdino da Rosa, totalizando 11 figuras.


Banda Lira Iporanguense

A divisão causada pela preferência de escolha entre as duas principais famílias na política, em Iporanga era tão definda, que mesmo nos tempos em que a vila ainda era iluminada pelos lampiões de querosene e a economia local vivia um momento difícil, a partir de 1900, que mesmo tendo uma reduzida população urbana, havia no local duas bandas de música completas. Naquela época os músicos tinham prazer em tocar, paixão pela música e também participavam da banda pela devoção quando abrilhantavam cerimônias e festas religiosas, não havia salário para os músicos, apenas gratificação nas festas. A banda da igreja era dominada pela família Santos(eram mais religiosos). Já os Decios montaram a própria banda separada, só com músicos dos Decios.

Banda de 1926 - Em pé da esquerda para a direita: Atto dos Santos/José Lisboa/Publio/Manoel Corimba/Rodolfo/José Liseo/José Zózimo/Tótico Macário/João Custódio. Sentados da direita para a esquerda João Nunes/Isotico/Benjamim dos Santos Lisboa/José Miguel/???/Pedro Caetano dos Santos/???/O Garoto sentado é João Manoel de Oliveira com 14 anos de idade.

A banda formada pela família Santos era composta pelos seguintes músicos: Joaquim Evaristo - Totico Macario – Arabelo dos Santos – Tico França – Benjamim dos Santos – Pedro dos Santos – Antonio dos Santos – Laurentino Vieira da Costa – Totó Borges - Rodolfo Balseiro – José Eliseu – Juca Juvenal – Manoel Corimba – Nascimento Sátiro da Silva – Publio dos Santos – Professor Anibal Ferreira de Souza – José Zózimo – Atinho dos Santos – Atto dos Santos – Pedro Caetano dos Santos.

João Manoel de Oliveira e o jovem Ico Pinga, no ensaio. Até hoje, ninguém amou mais a banda musical iporanguense, do que o velho e folclórico, João Mané, tocador do baixo-tuba por quase oitenta anos.

A banda dos Decios era composta por: Amadeu Furquim Dias(Manduca) – Toniquinho do Diogo Lebre – Deolindo do Diogo Lebre – José Lisboa (o Lisboa) – Olavo do Lisboa – Juquinha do Lisboa – Lico (irmão do Jeremias ex- prefeito) – (Ditinho tio do Naná) – Valdomiro Descio – Agenor Descio – João Nunes – João Manoel de Oliveira – Dioniso – José Nunes.

Esta foto é da banda do meu tempo " A Lira Iporanguense" vemos da direita para a esquerda Pedro do Benjamim, Ico Pinga, Pedro Caetano dos Santos, José Eliseu, Carlos nunes, em primeiro plano batendo a caixa Tico França, atrás Benjamim dos Santos Tocando requinta, no fundo o Dito Brasil, João Manoel de Oliveita com o Baixo, com o Laurentino Vieira da Costa(Loro) à frente do baixo. Atrás do Eliseu vemos ainda o Henriquinho alemão e atrás do baixo do João Manoel o prefeito Zé Carlos, no fundo a direita a esposa do maestro e a filha e atrás do maestro; a professora Cecília Caetana Nunes.

À esquerda o Teixeira, ao lado Benjamin dos Santos seguido pelo filho Antonio, depois Zé Gustavo, Ico Pinga, Aristeu e o Pedro também filho do Benjamim, todos na entrada da Caverna de Santana.

Tocata nas tardes de domingo, com boa música, enfeitada pela transparente e perfumada fumaça do churrasco, sugerindo bebida gelada e bom papo, que acompanhe a carne mau passada. É nisto que se resume qualidade de vida e felicidade em Iporanga.

Depois que escrevi o parágrafo acima li por acaso um texto, que expressa este mesmo pensamento, e que diz:

“Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade." (Mário Quintana).

video

Tocata em Iporanga



O serviço de alto-falante


O alto-falante e radio difusão em Iporanga, teve seu começo, nos anos 50, era um bom serviço, com músicas e gravações variadas que atendiam aos pedidos dos seus ouvintes, e fazia também muita política, isto quando o alto-falante era controlado por políticos da situação, no no governo do Sr. Celso Descio, havia uma discoteca variada e para todos as preferências. No começo dos anos 50 intitulava-se A VOZ DE IPORANGA, começava a audição às 6 horas da tarde com o DOBRADO SAUDADES DE MINHA TERRA e no final da noite, encerrava com o mesmo fundo musical, com a locução de José da Silva Trindade (Nho Lico).Quando o Sr. Celso Descio perdeu a política, o alto-falante passou a ser dirigido pelo Sr. Pedro Mendes dos Santos (Nho Mendes, chefe do escritório do IBGE em Iporanga e filho do Sr.Atto dos Santos), proseguiu por um longo tempo, assumindo a seguir o Sr. Francisco de Paula Souza (O CHICO CARDOSO), que foi prefeito da cidade. Alguns domingos, apresentavam-se ao microfone a dupla caipira Pedro Corrêa e Totó Borges. No segundo mandato do Sr. Celso Descio o serviço manteve a boa qualidade, desta vez conduzido pelo Sr. Benedito de Andrade Resende(O SENFIM), tinham, boa discoteca, e intitulava-se SERVIÇO DE AUTO FALANTES BANDEIRANTES. Depois devido às grandes brigas políticas, envolvendo o posto do auto-falante, o serviço andou sofrendo algumas interrupções e sendo conduzido pelo PEDRO CEM nos anos 60, por último nos anos 70, Dona Flauzina Corrêa, trouxe de São Paulo um conjunto de aparelho para animar as tardes da cidade, que por final doou à Paróquia de Santana nas mãos do Padre Joãzinho que ainda funcionou por algum tempo. A partir de 13 de junho de 1997 teve começo por iniciativa do Claudinho da Lucinha a primeira estação de RADIO FM DE IPORANGA, um sistema muito bom, para a era do vinil, que durou até o falecimento do ainda jovem Claudio. Desta data em diante o Niltom(Niltinho historiador e entalhador) proseguiu com o projeto da rádio comunitária, até 2001, quando fechou, só reabrindo em 2004, ano em que faleceu vítima de violência. Ultimamente esteve no ar a Correio do Vale FM dirigida pelo presidente da Associação da Terceira Idade, e entalhador em madeira, Sr. Marabá com a colaboração do Paulo Sérgio com o programa de pagóde e do Evaniel com a MPB, conforme seu comentário abaixo:


- “Os programas da nossa FM eram líderes de audiência. Todas as pessoas, principalmente nos bairros mais distantes, ficavam sabendo das novidades e curtiam suas músicas prediletas, através da Rádio FM. Eu tive o prazer de atuar na Rádio Correio do Vale FM, sob a direção do Gigante Marabá, com o programa Sequência de Classe, que tinha como objetivo, divulgar os compositores, cantores e músicos da MPB”


Eu tive o prazer de sintonizar , ou assitir no próprio estúdio alguns ótimos programas produzido e apresentado pelo Evaniel, onde alguns de nossos melhores artístas da MPB foram apresentados, alguns junto com sua biografia. Lamentamos a pausa nesta promoção que foi importante no resgate da verdadeira música brasileira e uma ótima fonte cultural para os ouvintes.. A emissora só deixou de funcionar por falta de apoio e recursos. Agora Iporanga aguarda o próximo capítulo desta interessante trajetória da comunicação local.



21 comentários:

  1. Seus comentários e a história em si, são deveras interessante. Parabéns pela sua disposição em transmitir à todos, um pouco da gigantesca beleza da cidade de Iporanga. Penso que só não se cai no esquecimento, aquilo que renovamos a cada ocasião e vc, com esta sua iniciativa, está perpetuando a nossa história.Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Beto!!!!adorei sua iniciativa!!!!os apaixonados pela nossa terra assim como eu vão amar esse blog.

    ResponderExcluir
  3. Fiquei curioso quando me disseram que havia um blog que comentava a história de Iporanga.

    Logo que pude, procurei. Acessei e li.

    Um ponto crucial para o desenvolvimento de qualquer grupamento humano é, sem dúvidas, a interrelação e, eu diria até mais, a imantação de um povo a uma história, que é a sua história. Quando um povo se liga a sua história ele de alguma forma se torna mais unido, alguns denominam isso de nacionalismo. Nacionalismo talvez seja termo demasiado amplo para o que quero dizer, mas a sua iniciativa cria uma espécie de nacionalismo no iporanguense. O orgulho de ser Iporanguense!

    A história de uma cidade, quando conhecida pela população faz com que esela seja mais culturada. Um povo, uma população mais culturada e mais ligada com suas raízes começa a se preocupar mais com sua comunidade e isto pode levar ao desenvolvimento econômico, político...

    Enfim, pode ser o início de uma nova comunidade. Talvez as palavras não expressem, mas é um nível acima, uma evolução. Isto é de suma importância para nossa cidade. O chavão é conhecido, mas expressa o que penso: é só conhecendo o nosso passado que poderemos compreender o presente e, quiçá, construir um futuro melhor.

    Precisamos divulgar o seu blog para a comunidade e buscar pessoas que se interesem em colaborar.

    Uma palavra: sensacional.

    ResponderExcluir
  4. Douglas
    Obrigado! A colaboração do Iporanguenses de verdade, que vc é, será sempre muito benvinda, e seus comentários positivos muito me orgulha. Conto com vc.
    Abrç.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns ao Alberto pela criação do Blog, faço empenho que ele sirva para o crescimento da comunidade interessada no desenvolvimento do Municipio, pois como disse o Douglas só conhecendo nosso passado podemos compreender o presente e desenvolvermos o caracter dos antepassados para construirmos um futuro digno de nosso abandonado municipio, pois atualmente não vemos o mesmo empenho dos pioneiros em empreender o progresso. Pois pelo que observo o progresso só acontece para algumas pessoas, enquanto para a maioria e para o próprio municipio o que se vê é o retrocesso no legado dos pioneiros.

    ResponderExcluir
  6. Olá Zaqueu!

    Obrigado pelo comentário, acho sua participação muito importante. Dei uma olhada no seu blog achei interessante, não fiz comentário, mas contei uma histórinha, que o moderador pode ler e apagar, se quiser.
    Abrç.

    ResponderExcluir
  7. Beto, boa tarde.
    Rever as fotos de alguns prefeitos e conhecer alguns outros, foi algo assim, fabuloso. Dessa forma a gente consegue perceber a história viva e perpetuada pela imagem e pelas palavras. A determinação, a responsabilidade e a coragem daqueles homens que se propuseram a administrar seu Município, são qualidades que todos devemos reconhecer e aplaudir. Nomes como: Pedro Caetano, Benjamim dos Santos, Jeremias de Oliveira, Theodoro Konesuk, José Carlos, Manoel e, atualmente, o Prefeito GULU, são pessoas altamente capacitadas que deram um alento ao povo Iporanguense, cada um em seu tempo, em busca de uma direção rumo ao tão esperado progresso. Por outro lado, tivemos nome como Jamil Adib e seu lamentável (des)governo, que mancha de forma irremediável, a galeria dos prefeitos. Mas nesta vida,tudo tem um propósito. Tenho certeza que um acidente político como aquele, não mais ocorrerá na cidade de Iporanga, pois sua população está mais consciente, criteriosa e madura.
    Com relação à Rádio FM, infelizmente o projeto não foi adiante, mas seus programas eram líderes de audiência. Todas as pessoas, principalmente nos bairros mais distantes, ficavam sabendo das novidades e curtiam suas músicas prediletas, através da Rádio FM. Eu tive o prazer de atuar na Rádio Correio do Vale FM, sob a direção do Gigante Marabá, com o programa Sequência de Classe, que tinha como objetivo, divulgar os compositores, cantores e músicos da MPB. Valeu a experiência e o contato direto com os ouvintes.Faço votos que o projeto seja retomado e a Rádio Correio do Vale, volte ao ar, pois ela, com certeza, faz falta.

    ResponderExcluir
  8. FIQUEI REALMENTE EMOCIONADA EM VER A NOSSA HISTÓRIA RETRATADA COM TANTA COMPETÊNCIA. SEMPRE ESPEREI POR ESSE MOMENTO, EM QUE A HISTÓRIA RICA DA NOSSA CIDADE FOSSE PERPETUADA E DIVULGADA PARA O MUNDO TODO. LINDO, LINDO, LINDO! PARABÉNS E CONTINUE ESSE TRABALHO DE MESTRE.

    ResponderExcluir
  9. Osmari Fernandes De Ramos "correa"30 de novembro de 2009 18:12

    quero aproveitar esse momento de leitura , visualização, tambem de emoção para parabenizar pelo belo trabalho exposto, pois vejo que o destino de Iporanga se arrasta por longos tempos... horas olha para suas cidades visinhas e ve que elas estão km de distancias etc; bem desenvolvidas e nós preso no passado com nossas casas e centros históricos em ruinas !!!!. assim como nossos antepassados nossa cidade termina .com carinho seu primo filho de sua prima Teresa Correa

    ResponderExcluir
  10. Olá Osmari e Noemi! Obrigado pelo incentivo. Continuem seguindo o blog.
    Abrçs.

    ResponderExcluir
  11. Olá meu amigo,meu nome é Daniel Moreira Francisco,sou técnico em telecomunicações,tenho 38 anos,moro em Campinas sp.Fiquei emocionado em achar seu blog com esses comentarios da cidade que passei a melhor parte de minha infância e adolecência.
    Quando cheguei em iporanga no ano de 1976,Iporanga ainda se resumia em poucas ruas,e o alto falante ainda funcionava,estudei na escola antes de chamar Nascimento satero da Silva.No ano de 1984,comecei a estudar eletrônica com ajuda do sr Cesar,desde então meu grande sonho sempre foi colocar uma radio na cidade,conheci o Claudinho quando garoto,fui também aluno de seu pai.
    Embora tive que mudar de Iporanga no ano de 1986 para Campinas,meu coração ficou amarrado nessa cidade que não sai dos meus planos de fazer um grande movimento para ajudar no desenvolvimento.
    Estudei com muitos que hoje estão ai contribuindo para o progresso da cidade.
    Tenho um sonho de ver Iporanga com uma radio AM de cobertura regional,pra isso estou buscando meios de realizar.
    Fico por aqui,mando um abraço a todos que por aqui passarem,a Noemi que foi colega de escola,e a outros que postaram eu conheço desde de infância.
    Meu email é radiotelex@gmail.com,fiquem a vontade pra correspondência .

    ResponderExcluir
  12. Olá Daniel! Obrigado pela sua participação. Saber que você ainda guarda Iporanga no coração nos enche de felicidade e orgulho. O sonho de termos uma estação de rádio FM continua existindo e agora esperamos contar também com o que você puder sugerir, para que o pensamento se torne realidade. Continue seguindo o blog, porque vale a pena,e também para ficar próximo dos seus amigos que por aqui permanecem, além de outros que terão imenso prazer em conhecê-lo.

    Receba de nós todos daqui um forte abraço iporanguense!

    ResponderExcluir
  13. ola amigo BETO; estou repassando seu blog a amigos meus que estao fora ,e outros que estiveram aqui, e se apaixonaram por esse lugar; acho que logo vai ter muito mais visitas abraços ...seu primaõ

    ResponderExcluir
  14. SENSACIONAL!!!

    Não sou de IPORANGA, mas meus pais se conheceram lá, até os treze anos de idade eu ia muito a Iporanga, após o falecimento da minha avó ZALICA deixei de ir por alguns anos, agora já fazem dois anos que estou indo para a VIRADA DO ANO!!!

    A cidade continua maravilhosa, a igreja, a banda o coreto... Sou apaixonada por IPORANGA, e vou divulgar seu BLOG para TODOS da Família NUNES!!!

    Espero que seu BLOG seja muito visto, e que logo encontrem a pessoa certa para dar continuidade a esse trabalho tão importante para a cidade.

    PARABÉNS pela sua iniciativa.

    Andreia

    ResponderExcluir
  15. Olá Andreia!

    A participação sua e a forma carinhosa como você se refere às coisas que dizem respeito à nossa, e também sua cidade, muito nos envaidece e enche de orgulho. Tenha certeza que sua paixão por IPORANGA (Gostei das maiúsculas), não ficará sem retribuição. Sua presença neste blog ou em nossa, e sua IPORANGA, será sempre muito importante.

    Abrçs.

    ResponderExcluir
  16. Olá, eu e minha mãe ( Cida, filha de João Manoel e Olinda Maciel de Oliveira) ficamos emocionadas com esse blog, saber que nossos familiares fizeram e fazem parte dessa historia;
    Parabéns pelo seu trabalho.
    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Olá Cida e Olinda! Obrigado. As conversas com seu pai contribuíram para a história de Iporanga.
    Abrçs.

    ResponderExcluir
  18. ola Alberto obrigado por me atender procurei a foto mas não encontrei se vc puder mandar por e-mail agradeço gostaria de encontrar familiares maternos que ai nasceram : Zacarias Izidoro da Silva (avô) Dina de Andrade da Silva (avó) ela filha de Julia Furquim da Mota pretendo ir em breve aí para matar saudades e-mail :
    dorcas_alves@hotmail.com obrigado

    ResponderExcluir
  19. Muito bacana o resgate cultural que o blog oferece. Incrivel com a música faz parte da história da cidade! É sem dúvidas uma memória que precisa ser preservada através da construção de um MUSEU. O Museu de Iporanga pode ser um atrativo bacana e pode gerar ações sustentaveis para o municipio, o que acham?

    ResponderExcluir
  20. Olá Gilmar! Grato pelo comentário. Um museu seria muito bom para Iporanga. Espero que nossos administradores, além de aprovar, executem essa ideia.
    Abrçs.

    ResponderExcluir
  21. Legal Hoje vi o site ,olha muito bom mesmo que alguem coloque Iporanga em FOCO.
    PARABENS! Pela iniciativa...Assim mato saudades da terrinha e fico sabendo das novidades,e historias que so estou vendo aqui.
    Um abraço da filha iporanguense.
    Luciana Rocha.

    ResponderExcluir